25 de dez de 2012

All I want for Christmas is you

Oi, amores! Sou eu, a Clara! =D
Decidi fazer uma IB especial de Natal o que acham?
Bom, vamos lá!

~^~^~^~^~^~^~^~^~^~^~^~^~^~^~^~



**VÉSPERA DNATAL**
*Stefani narrando*
      Era véspera de Natal. Eu estava no aeroporto para voltar para o Brasil, quando todos os voos foram cancelados, por conta de uma nevasca que acontecia no caminho para todas as cidades possíveis. A aeromoça nos avisou que teríamos que aguardar por uns dois ou mais dias. Que ótimo! Vou ter que passar mais dois dias nessa cidade idiota. Ah! esqueci de me apresentar, sou Stefani Cavalcante.


      Eu moro em Nova York, mas nasci em São Paulo, Brasil. Tenho 16 anos e vim passar uns dias aqui em Strattford, Ontario no Canadá. Eu nem queria vir, só vim pra cá, porque as passagens foram um presente de Natal adiantado da minha irmã mais velha, Clara Cavalcante.


      Não podia recusar esse presente. Ela vinha comigo, mas ela precisou ficar, porque teve um... compromisso de ultima hora, então eu vim pra cá sozinha. Meus pais não queria deixar, mas depois da minha irmã ter insistido muito, eles deixaram. Eu estava feliz, porque seria a minha primeira viagem sozinha, mas quem disse que estou gostando dessa viagem agora?
      Fui até o balcão e a moça remarcou minha viagem para o dia 27 de dezembro. Vou passar mais quatro dias aqui. Ninguém merece. Liguei para a minha irmã e avisei que os voos estavam cancelados e que eu iria pra casa só dali quatro dias. Ela ficou triste porque não ia passar o Natal comigo, mas não há nada que possamos fazer.
      Peguei um táxi e me dirigi de volta para o hotel. Consegui que eles arrumassem um quarto pra mim, não era que nem o outro, mas era bem aconchegante. Decidi ir até uma cafeteria que tinha ali perto, peguei minha bolsa e fui andando até lá. Pedi um chocolate quente e me sentei em uma das mesas. Na mesa na minha diagonal, tinha um menino que não parava de olhar pra mim, ele tinha cabelos castanho-claros e olhos cor-de-mel. Foi aí que eu me toquei que era o tal do Justin Bieber que a minha irmã vivia falando pra mim. 


      De repente, uma menina de cabelos negros se sentou na mesa junto com ele. Aquela devia ser a sua namorada, a Selena Gomez.


      Ele desviou a atenção pra ela. Ainda bem, porque eu não suporto esse menino. O meu chocolate quente, chegou, eu paguei e sai do local. Fui andando até um parque e me sentei em um dos bancos. Fiquei ali, observando aquele ambiente congelado, até que alguém passa por mim, com a cabeça baixa e pisando forte na neve. Pelo visto, ele devia estar bem zangado. Ele se sentou no banco que tinha bem ao lado do que eu estava. Era o tal do Bieber. Revirei os olhos e continuei a observar a paisagem, quando menos percebi, ele estava sentado do meu lado.

*Justin narrando*
      Eu estava olhando para a Selena, fazendo o pedido e flertando com o caixa, e quando desviei o olhar dei de cara com uma menina morena e de cabelos pretos. Mas o estranho daquela menina que eu estou observando é que ela me parecia familiar. Aquela menina é muito linda! Que é isso Justin, você tem namorada! Uma namorada que você não ama e que flerta com outros garotos. Por que o Scooter tinha que me meter nessa, ein? "Ah! Justin, vamos ajudar a Selena! Um namoro midiático para divulgar o CD novo dela e é normal isso acontecer no mundo dos famosos."
      Falando nela, ela acabou de se sentar em minha frente. A menina que eu estava olhando foi embora. Selena estava agindo como se não tivesse feito nada. Ela acha que eu não vi ela flertando com o cara do caixa, e ainda por cima ela está olhando para um menino nesse exato momento. Cara, na minha frente?
      Eu sei que eu não amo ela, mas poxa! Não precisa ficar fazendo essas coisas na minha frente. Me levantei e fui andando até a porta da cafeteria.

      - Juju, aonde você vai? - ela me perguntou.
      - Primeiro, não me chama de "Juju"; segundo, está tudo acabado entre nós, Selena. - eu disse e sai dali.

      Eu estava com um pouco de raiva. Eu avisei pro Scooter que esse namoro midiático não daria certo. Acabei perdendo fãs por causa dele. Eu entrei em um parque e me sentei em um banco que havia lá. Dei uma olhada em volta e vi aquela mesma menina que estava na cafeteria. Me sentei do lado dela e disse:

      - Oi!
      - Olá! - ela disse, somente, e se levantou.
      - Espera, aonde você vai?
      - Para algum lugar longe de você!

      Me levantei e comecei a andar do lado dela. Ela revirou os olhos e se afastou de mim. Eu me aproximei dela e ficamos nesse jogo de afasta e aproxima, até que eu acho que a deixei zangada.

      - Garoto, por que você tá me seguindo? - ela disse, irritada.
      - Por que você quer ficar longe de mim?
      - Porque eu não te suporto! - ela disse e ia saindo, mas eu a segurei pelo braço. - Garoto, me solta!
      - Por que você não me suporta?
      - Você faz perguntas demais.

      De repente começou a nevar. Quando eu percebi que ela não ia me dizer e eu ia soltá-la, apareceram paparazzis. Essa não! Eu peguei na mão dela e comecei a correr pelo parque, entrando na área da floresta.

      - Ei! Aonde está me levando? - ela gritou. - Me solta!
      - Vem, temos que fugir dos paparazzis! - eu disse.
      - O quê?

      Até já entendi o motivo de ela não ter me ouvido. O vento começou a ficar bem mais forte. Estava zunindo nos nossos ouvidos. Eu avistei de longe uma cabana. 

      Cheguei bem perto, bati na porta, mas ninguém atendeu. Ela estava vazia. Eu soltei a mão da garota e chutei a porta. Ela se abriu e eu arrastei a garota comigo para dentro. Fechei a porta atrás de mim e tranquei-a utilizando a corrente e umas madeiras.
      A garota estava tremendo de frio. Pra nossa sorte, havia lenha e fósforos. Eu acendi uma fogueira e ela logo chegou mais perto para se aquecer. Ela era tão linda!

      - Como se chama? - eu perguntei.
      - Pra quê quer saber? - ela respondeu, grossa.
      - Ui, desculpa! Mas acho que vamos passar um bom tempo aqui, porque essa tempestade de neve está bem forte.
      - Que ótimo! - ela murmurrou.
      - Então? Não vai me dizer quem é?
      - Me chamo Stefani. Stefani Cavalcante.
      - Ah! Bom, prazer Stefani, me chamo...
      - Eu sei quem você é! E pra sua informação, não gosto de você!
      - Você nem me conhece!
      - Ah, conheço sim! Conheço até demais!
      - Como?

      Ela não me respondeu. Simplesmente, ficou em silêncio. Qual o problema dessa garota?

*Stefani narrando*
      Que ótimo! Passar a véspera de Natal com esse idiota! Tudo o que eu mais queria! Ainda bem que ele não reconheceu meu sobrenome, por causa da minha irmã, mas pela cara dele, acho que ele ainda vai me perguntar como que eu o conheço. Eles eram grandes amigos, mas eu nunca suportei ele depois do que ele fez. Eu nunca o conheci, é verdade, mas tenho uma raiva dele. Ele pode até ser bonito, mas o que ele fez não tem perdão. Não consigo mais ver uma foto dele sem lembrar do que ele fez com a minha irmã. De repente a criatura interrompeu meus pensamentos, perguntando:

      - Me responde: como você me conhece tão bem, como você diz, se eu nem te conheço?
      - É verdade, nunca nos conhecemos, pessoalmente. - eu disse.
      - Então, como?
      - Porque você era melhor amigo da minha irmã. Ou já se esqueceu dela também?

      Ele ficou um pouco parado pensando, até que acho que a ficha dele caiu.

      - Ah! Você é irmã da Clara, certo? - ele perguntou.
      - Bingo! - eu disse, sem animação alguma e revirando os olhos.
      - Me lembro agora que ela tinha mostrado uma foto sua. Mas me diga, como ela está? Faz tanto tempo que eu não falo com ela. Desde...
      - Desde que você começou a namorar a Selena. - eu disse, olhando pra ele, com raiva. - Sabe, ela ficou se culpando, achando que tinha feito alguma coisa errada para que você tivesse parado de falar com ela, pra você ter deixado ela de lado. E ela nem devia ter ficado com tanta coisa assim na cabeça, isso fez muito mau à ela. - eu parei por um tempo me lembrando dela. - Fez com que sua situação piorasse.
      - Como assim?
      - E por acaso você se importa? Se tivesse se importado, não teria deixado ela de lado.

      Eu olhei pra ele e ele não disse mais nada, só abaixou a cabeça. Acho que ele está se sentindo culpado. Bom, bem feito! A minha irmã sofreu quando ele parou de conversar com ela. Ele simplesmente largou ela, como se ela fosse um brinquedo descartável que ele usou e depois jogou fora. Ela se culpou por um ano inteiro, e ela não estava em condições pra isso. E é por isso que eu odeio ele.

      - Bom, - eu comecei, me levantando. - vou dar uma olhada pra ver se encontro alguma coisa pra comer aqui. Afinal, se vamos ficar por aqui por um tempo, vamos precisar de comida.

      Eu peguei meu celular e pude perceber que não tinha sinal de telefone aqui. Que ótimo! Liguei a lanterna e a utilizei para me guiar pela cabana. Aquele lugar parecia que nunca fora limpo. Eu consegui encontrar a cozinha e vi uma geladeira. Ao abrí-la, vi muitas coisas: refrigerantes, sucos, frutas. Abri os armários e eles estavam cheios de comida. Bom, a boa notícia é que não vamos morrer de fome. A má notícia é que alguém ainda mora aqui, e não é legal invadir a casa dos outros.
      Eu senti um calafrio. Estava ficando com medo. Me virei e dei de cara com um senhor. 


      Preciso dizer que levei um susto e comecei a gritar?

*Justin narrando*
      Eu estava pensando no que a Stefani me disse, sobre eu ter magoado a minha melhor amiga, mas essa nunca foi a minha intenção. Eu tive que me afastar dela, porque o Scooter me obrigou e por causa do meu namoro com a Selena. A Selena tinha ciúmes de nós dois e Scooter dizia que se nos vissem juntos os paparazzis inventariam histórias e entre outras coisas. Até que eu ouvi um grito vindo de algum lugar da cabana. Peguei meu celular, liguei a lanterna e corri para ajudar a Stefani.
      Quando a encontrei, um senhor tinha agarrado ela. Ele apontava uma faca para ela. Stefani estava chorando de medo.

      - O que fazem em minha casa? - perguntou o senhor.
      - Ahm, senhor, mil perdões. Mas nós batemos e ninguém atendeu a porta, e nós só estamos nos protegendo da tempestade de neve. - eu disse.
      - Mentira. Eu tenho câmeras de segurança. E eu vi vocês arrombando a minha porta.
      - Senhor, por favor... - eu tentei dizer.
      - Chega! Andando!

      Ele apontou a porta para mim e apontou um caminho para eu seguir. Eu andei e Stefani estava logo atrás de mim. Ele nos fez entrar em um quarto. 


      Logo depois que entramos ele disse:

      - Vocês vão ficar aí, até a tempestade passar e eu conseguir ligar pra polícia.

      Ele trancou a porta. Eu olhei para a Stefani e ela estava um pouco assustada. Ela me abraçou e eu fiquei tentando reconfortá-la. Ela podia não querer a minha companhia, mas eu vou cuidar dela. Acho que eu devo isso, pelo que fiz com minha melhor amiga. Pelo menos agora você vai fazer alguma coisa certa, não é, Justin?

      - Pronto, Stefani! Ele já foi! - eu disse. - Fica calma!
      - Ele apontou a faca pra mim, Justin.  - ela disse, chorando. - Foi a pior sensação da minha vida.
      - Calma, já passou. Eu to aqui. Vem, deita ali na cama e tenta dormir um pouco.

      Eu peguei dois travesseiros que tinham no armário, dei um pra ela e ela se deitou. Eu peguei cobertores, dei um pra ela e arrumei pra mim algo no chão, em cima de um tapete de lã. Eu estava tentando me aconchegar, quando ela me chamou:

      - Justin!
      - Sim?! - eu disse.
      - Ahm... será que você poderia dormir aqui comigo? - ela pediu. - É porque eu to com um pouco de medo daquele senhor.
      - Sem problema!

      Eu me levantei e me deitei na cama junto com ela. Eu a abracei e ela nem se importou. Ela estava tensa, então decidi cantar "All I want for Christmas is you" bem baixinho pra ver se ela dormia. E ela assim o fez. Logo depois eu também dormi.

**NOITE DE NATAL**
*Stefani narrando*
      Acordei e notei que Justin ainda estava abraçado à mim. Eu sei que fui dura com ele, mas ontem quando ele tentou me ajudar e quando me reconfortou, eu percebi porque minha irmã era melhor amiga dele. Ele era gentil, carinhoso e se preocupa com as pessoas. Ele mau me conhecia e já cuidou de mim. Eu acho que eu não devia ter sido grossa com ele. Mas é porque eu cuido da minha irmã, mesmo ela sendo a minha irmã mais velha, agora sou eu que tenho que cuidar dela. Ela está tão frágil. Eu devia estar com ela agora. Ela precisa de mim. Pensar nela me fez chorar. Lágrimas teimosas percorreram meu rosto. Justin deve ter sentido minhas lágrimas molharem a sua mão, pois ele acordou.

      - Tá tudo bem, Stefani? - ele perguntou, olhando pra mim.
      - Tá sim. - eu disse, secando as lágrimas e me virando pra ele.
      - Não, não está nada bem. Me conta, o que aconteceu?

      Eu não conseguia responder. Eu só chorei mais. Ele passou a mão em meu rosto de forma suave e eu pude fitar seus olhos cor de mel. Ele era tão lindo! Agora eu via isso. Mas eu não posso deixar isso me enganar. Eu continuo com um pouco de raiva dele. Mas antes de tirar conclusões, vou dar a chance de ele se explicar.

      - Por que você deixou a minha irmã de lado? Por que a magoou? - eu perguntei.
      - Essa nunca foi a minha intenção. - ele disse e se sentou. - Eu nunca quis magoá-la, afinal ela é minha melhor amiga.
      - Então, por que o fez?
      - Porque fui obrigado. Eu não ia deixá-la. Mas como eu tive que namorar com a Selena, Scooter me pediu para que me afastasse da Clara por causa dos paparazzis e a Selena morria de ciúmes de nós dois. Então eu tive que me afastar. Eles não me deixaram mais vê-la.

      Nossa. Aquilo era a mais pura verdade, eu podia ver em seus olhos. Ele estava quase chorando. Ele se importa mesmo com a minha irmã. Eu acho que devo contar à ele o que está acontecendo com ela. Quando eu ia dizer alguma coisa, o senhor abriu a porta. Ele trazia uma bandeja com biscoitos e chocolate quente.

      - Me desculpem, garotos! - ele disse. - Eu revi os vídeos das câmeras e pude ver que vocês vieram só para se proteger da tempestade. Tomem, aqui um lanche pra vocês.
      - Ahm, obrigado! - disse Justin.
      - Bom, de qualquer forma, vocês terão que esperar mais um pouco. A tempestade ainda não passou. Bom, vou deixar vocês comerem. E mocinha: me desculpa por apontar aquela faca pra você, mas vocês me assustaram quando invadiram minha casa. Ninguém me visita há anos.
      - Por que? - perguntei.
      - Bom, eu só saio para fazer compras. Não gosto muito de sair de casa desde... que minha esposa faleceu. - ele disse. - Você tem sorte de ter o seu namorado ai. Ele se importa com você. Como eu me importava com ela.

      Justin e eu coramos quando ele disse que nós éramos namorados e depois o senhor foi embora apenas encostando a porta. Eu olhei para ele e ele olhou para mim. Nós nos encaramos por um tempo. Eu não sei porque, mas tive vontade de beijá-lo. E eu acho que ele também. Nos aproximamos e rolou o beijo. Mas nós só demos um selinho, pois eu me afastei e comecei a me desculpar, afinal ele tinha namorada. Ele riu e eu olhei pra ele sem entender nada.

      - Relaxa. Você não precisa se preocupar quanto à Selena. - ele disse.
      - Por que? - eu perguntei.
      - Porque nós terminamos. - ele disse, somente.
      - E você diz isso como se fosse a coisa mais normal do mundo?
      - Eu não a amava. E pelo visto nem ela a mim.
      - Então, por que estavam juntos?
      - Foi pra divulgar o CD dela. E acabou que ficamos juntos por um ano, porque o Scooter pediu. - ele deu de ombros. - E ela percebeu que eu comecei a me apaixonar por outra.
      - Ah! - eu disse, um pouco decepcionada. É, eu to afim dele, problema?

      Ele riu da minha cara e eu olhei pra ele sem entender nada de novo. Ele começou a comer um biscoito e a tomar o seu chocolate quente. Eu o olhei como quem pede explicações pela risada dele.

      - Bom, eu acabei me apaixonando pela irmã da minha melhor amiga. - ele disse.

      Eu corei. Ele tava apaixonado por mim? Eu abaixei a cabeça, com vergonha, mas eu logo senti ele levantando-a. E ele me beijou. Dessa vez foi um beijo mesmo. Sentir seus lábios nos meus, foi a melhor sensação da minha vida. Encerramos o beijo e ficamos nos olhando. Comecei a comer os biscoitos e a beber o chocolate quente. Quando terminamos, fomos até a sala e o senhor estava lendo um livro antigo. Ele nos viu e disse:

      - Ah, vocês apareceram. Bom, parece que a tempestade está começando a diminuir, mas vocês terão que ficar aqui até o almoço. E eu insisto que fiquem para o almoço. Afinal, eu devo isso à vocês.
      - Que é isso, não precisa! - eu disse.
      - Precisa sim! E eu já vou começar a prepará-lo.

      Ele se levantou e se dirigiu até a cozinha. A cabana agora estava toda iluminada com lampiões. Era bem aconchegante o lugar. Eu e Justin nos sentamos num sofá perto da lareira, que nós não tínhamos visto na noite anterior. 


Ele segurou a minha mão e disse:

      - Stefani, eu preciso te dizer uma coisa. Eu sei que parece loucura, mas eu... eu te amo! Eu me apaixonei por você naquele momento em que te vi pessoalmente na cafeteria. Acho que foi amor à primeira vista.
      - Bom, Justin, eu preciso te dizer uma coisa também. Eu também me apaixonei por você ontem, quando eu reconheci que você não é aquele menino que eu pensava que fosse. E eu também posso dizer que te amo. - eu disse e ele me beijou.
      - Quer namorar comigo?
      - Eu quero sim! - eu disse sorrindo e roubei um selinho dele.

      Então eu me lembrei que eu ia contar à ele sobre a minha irmã. Ele precisa saber, porque ele é o melhor amigo dela. Ele não a vê já faz um ano, então não sabe o que ela tem.

      - Jus, preciso te contar uma coisa. - eu disse.
      - Do que me chamou? - ele perguntou.
      - De "Jus". Não gostou? Desculpa...
      - Não, eu gostei sim! - ele sorriu. - Mas, então, o que queria me dizer?
      - Eu preciso te contar o que aconteceu com a Clara.
      - Como assim? - ele perguntou, preocupado.
      - Depois que você deixou ela, ela começou a passar muito mal. Nós a levamos no médico e eles diagnosticaram que ela tem câncer. Ela tem câncer no coração. Nem tinha como ela fazer quimioterapia, pois o câncer já estava espalhado pelo corpo dela, pois foi descoberto muito tarde. Ela só... - eu pausei, já sentindo as lágrimas percorrerem meu rosto.
      - "Ela só" o quê, Stefani? - perguntou Justin, preocupado.
      - Ela só tem até um pouco depois do Ano Novo. - eu disse, já chorando.

      Ele ficou surpreso. Eu abaixei a cabeça e as lágrimas ficaram escorrendo meu rosto. Logo senti alguém me abraçar e vi que era Justin. Ele também estava chorando, afinal, ela é a melhor amiga dele. Eu soltei o abraço e olhei em seus olhos. Ele enxugou minhas lágrimas e eu as dele. Ele me aproximou dele e nós ficamos observando o fogo da lareira em silêncio por um longo tempo. Pudemos ouvir os ventos lá de fora cessando. Eu não sei o que se passava na cabeça de Justin, mas na minha vinham imagens dos momentos ao lado da minha irmã. Como eu queria estar com ela. O tempo passou tão rápido que o senhor veio nos avisar que o almoço estava pronto e só ai, ouvimos nossos estômagos roncarem. 
      Nós almoçamos e logo depois, como a tempestade já tinha passado, nós fomos embora de mãos dadas. Quando aparecemos no parque, haviam muitos policiais e paparazzis. Eles estavam à nossa procura. Ou melhor, à procura de Justin. Eu acho que quase fiquei cega com todos aqueles flashes. Justin saiu comigo até onde sua mãe esperava com um carro. Ela o abraçou e eu pude ver o quanto ela estava preocupada com ele.
      Eles me levaram para a casa dos avós de Justin. Eles são muito legais. Scooter ligou para Justin e ele explicou o motivo das fotos dele segurando minha mão, que os paparazzis tiraram. Justin me apresentou à sua família como namorada. A minha mala estava na casa dos avós dele, porque passamos no hotel que eu estava para pegá-las. Justin ficou no telefone por um bom tempo e eu não entendia o motivo. Até que ele finalmente me disse:

      - Amor, eu tenho uma surpresa pra você.
      - O que? - perguntei, curiosa.
      - Eu consegui um jatinho para nos levar para Nova York. E ele sai em uma hora.
      - Eu não acredito!
      - Pois pode acreditar!

      Eu fiquei tão feliz e o beijei. Ele foi arrumar as coisas dele e eu fiquei esperando na sala. Pattie também iria conosco. Nem acredito que eu vou poder passar o resto do Natal ao lado da minha irmã. Pattie ficou feliz em saber que a Clara era minha irmã, mas ficou triste quando soube do câncer dela. Ele e Pattie, depois de estarem com as malas prontas, entramos no carro do avô de Justin e fomos até o aeroporto.

*Chegando em Nova York*
      Chegamos em Nova York, pegamos um táxi e seguimos para o meu apartamento. Nós subimos e assim que minha mãe abriu a porta do apartamento eu a abracei. Apresentei à ela e ao meu pai o meu namorado e depois eu perguntei pela Clara. Minha mãe me disse que ela estava em nosso quarto e nós fomos até lá. 


Eu entrei primeiro e dei um abraço em minha irmã. Ela ficou tão alegre em me ver! Então eu disse para ela que tinha uma surpresa.

      - Surpresa? - ela perguntou animada.
      - Olha, eu quero te apresentar o meu namorado, mas acho que você o conhece melhor do que eu. - eu disse.
      - Como assim?
      - Justin, pode entrar!

      Ela ficou surpresa e ele entrou. Ela se levantou e ele andou até ela a abraçando. Ela começou a chorar, mas eu sabia que ela estava feliz por ele estar ali. Ela o soltou e disse:

      - Pensei que estava com raiva de mim.
      - Nunca! Você é a minha melhor amiga! - ele disse. - Eu fui obrigado a me afastar de você. Me perdoa?
      - É claro que eu perdoo. - ela sorriu. - E que história é essa de vocês dois estarem namorando? - ela riu e nós também. - Logo você, Stefani, que disse que odiava ele.
      - Bom, eu o odiava por ter feito você sofrer, mas agora eu entendi o motivo e acabou acontecendo.
      - Mas, me contem! Como que isso aconteceu? - ela pediu, se sentando na cama.

      E assim fizemos. Nós contamos à ela tudo.


*Um tempo depois*
      Bom, faz uma semana que a Clara nos deixou. Preciso dizer que sinto a falta dela? Mas eu sei que pelo menos, ela está em um lugar melhor. Ela está feliz! Ela não se foi achando que fora a culpada, como ia acontecer. Eu e Justin estamos ainda mais juntos, estamos tristes, mas ao mesmo tempo estamos felizes, porque conseguimos fazê-la feliz pelo resto de sua vida. Ela se tornou o nosso anjo! E sei que nesse momento ela está entre nós e nunca nos deixará. E eu agradeço à ela, porque foi ela quem me falou sobre o Justin e foi ela quem deixou as nossas vidas ainda mais felizes. E eu também agradeço à ela, pois se não fosse por ela, eu não teria viajado para Strattford e conhecido o amor da minha vida.










E aí, babies???? O que acharam?
Ficou boa? Ou ruim?
COMENTEM, ok???
Espero que tenham gostado!
FELIZ NATAL MESNINAS LINDAS DO MEU CORAÇÃO!!
Tudo de bom pra vocês!
A personagem Stefani foi em homenagem à minha gêmea que eu amo demaaais!!! <3 Pena que ela mora em SP, mas ainda bem que nos conhecemos, né?? haha >.<
Beijinhos e comentem no capítulo 23 de Stay With Me Forever!! ;D
AMO VOCÊS!!!
@ClaraVeras

3 comentários:

  1. GOSTIIIIIIIIIIIIIIII!!!!!!!!!!!!! Beijos <3
    Ass.:Bia!

    ResponderExcluir
  2. Awwwwn,ficou tão linda,mas ficou triste,
    mas eu gostei do mesmo jeito lol,
    Parabéns

    3Bjs!!

    #Camila

    ResponderExcluir
  3. vou chorar kk sério que lindo flor!aaaa Clarinha desculpa, n ta dando pra entrar e tyá meio dificio para ler a ibs , mas continua logo linda s2 BJS @MeuSonhoJuus

    ResponderExcluir

O que acham que vai acontecer?
Expressem opiniões sinceras, por favor!
Estão Gostando?